7 de dezembro de 2017, 15:31

BRASILLula reafirma que não é contra a Lava Jato, mas crítico de delações

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reafirmou nesta quinta-feira, 7, em ato em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que não é contra a Operação Lava Jato – da qual é réu -, mas sim crítico das delações premiadas. “Não pensem que sou contra a Lava Jato. Prender ladrão é uma necessidade nesse País. Eles prenderam alguns e soltaram alguns. Todo cara que faz delação é porque roubou. Faz para devolver ao Ministério Público apenas uma pequena parcela do roubo e viver rindo às custas do que roubou”, disse, referindo-se a ex-executivos da Transpetro e da Petrobras. “Vamos ver como estão vivendo o Sérgio Machado, o Paulo Roberto Costa?” Ele disse também que armar a população e reforçar o poderio bélico das polícias não vão reduzir a violência – alusão indireta ao deputado Jair Bolsonaro (PSC), virtual candidato à Presidência da República em 2018 que aparece em segundo lugar nas pesquisas de opinião. “A solução desse País não é arma, é trabalho, salário, educação. Se um menino de 17 ou 18 anos tiver escola e trabalho e puder comprar um celular, um tênis, uma camiseta da hora, ele não vai roubar”, pontuou, em discurso de 25 minutos para centenas de pessoas. Lula disse que não é candidato oficialmente, mas afirmou que vai ganhar se concorrer ao Planalto. “Eu não precisava fazer o que estou fazendo. Tenho consciência dos mandatos que fiz”, declarou. “Se eles não têm competência para consertar esse país, eu tenho”.  Ao falar do Rio de Janeiro, que vive crise fiscal, com atraso salariais de servidores, há dois anos, desafiou: “Só existe uma possibilidade para o Rio, é ter um presidente comprometido com o Rio. É por essas razões que resolvi voltar.”

Estadão Conteúdo

Comentários