14 de novembro de 2017, 06:50

BRASILBarroso dá mais tempo para PF enviar perguntas a Temer no caso dos Portos

Foto: Rosinei Coutinho / STF

Ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, deferiu nesta segunda-feira, 13, o pedido da Polícia Federal para, somente após concluir a análise de documentos, formular as perguntas ao presidente Michel Temer no inquérito que apura um decreto no setor dos portos. O ministro, que é relator do caso, intimou a PF em outubro a formular as perguntas ao presidente. “Quanto às perguntas a serem apresentadas ao excelentíssimo senhor presidente da República, defiro, por igual, o requerimento para que somente sejam formuladas após a análise, pela Polícia Federal, da documentação disponível nos autos, inclusive a solicitada por meio dos ofícios mencionados na petição acima identificada, e após o cumprimento das diligências ainda em andamento”, decidiu o ministro. Barroso determinou, também, que a PF comunique ao seu gabinete “o encerramento das diligências que precederão a formulação das perguntas, de modo a permitir o controle do cronograma de processamento”. As perguntas serão respondidas por Temer por escrito. O presidente escolheu não responder pessoalmente às perguntas que lhe forem feitas. O inquérito foi aberto em agosto por Barroso para apurar se a Rodrimar, empresa que opera no Porto de Santos, foi beneficiada pelo decreto assinado pelo presidente em maio, que ampliou de 25 para 35 anos as concessões do setor, prorrogáveis por até 70 anos. Além do presidente, são investigados Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor de Temer e ex-deputado federal, e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente, dono e diretor da Rodrimar. Os investigados são suspeitos dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. Todos negam irregularidades.

Estadão

Comentários