18 de junho de 2017, 09:49

BRASIL‘Je suis’ não perde nem operação da PF

Rosto crispado, cartazes marcados pela expressão “Je suis” – eu sou, em francês – e uma agenda diversificada de causas a defender. Militante da revolta dos cariocas com os escândalos que se abateram sobre o Estado, Edson Rosa, de 47 anos, não perde uma operação da Polícia Federal nem uma manifestação contra o governo federal. Ele está sempre em primeiro plano, posando para fotos, seja na frente da Superintendência da PF, na Praça Mauá, seja na Avenida Rio Branco, seja na Cinelândia entre os black blocs e os policiais da Tropa de Choque da Polícia Militar. Nas mãos, um cartaz com seu recado: “Je suis…” “Eu gosto de ficar bem na frente e nunca levo bomba de gás lacrimogêneo nem tiros de borracha dos policiais. Eles gritam ‘Jesus! Jesus! Sai da frente’”, conta. Sempre com a sua camisa da Seleção Brasileira assinada por jornalistas, atores e quem mais achar importante, Rosa entra ao vivo nos noticiários de TV. Sua imagem já saiu até no The New York Times. “Je Suis” é referência à expressão que caracterizou os protestos contra o massacre à redação do jornal satírico Charlie Hebdo, de Paris, em 2015. Rosa a adaptou ao drama político carioca, que mistura a falência do Estado, crimes e os casos de corrupção. “Je suis Sérgio Cabral na cadeia”, “Je suis todo apoio à greve dos garis” e “Je suis servidores sem salários” são alguns dos produtos do “Ateliê de Cartazes” que Rosa mantém no caótico apartamento onde mora, na Lapa, centro. Estima já ter feito 330 cartazes. “Sou eu que penso e escrevo todas as frases, mesmo não tendo passado nem da primeira série no colégio. Aprendi com a vida”, diz ele, que nasceu em Maringá, no Paraná, e se mudou para o Rio em 1988.

Comentários