18 de junho de 2017, 11:42

INTERIOR DA BAHIACandeias é sede de debate sobre os precatórios do FUNDEF

Foto: Divulgação

Reunião aconteceu no último sábado

O Sindicato dos Servidores do Município de Candeias (SISEMC) realizou ontem (17) uma reunião com os trabalhadores em educação do município tendo como pauta os precatórios do antigo FUNDEF, atual FUNDEB. A reunião foi realizada no auditório do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de Candeias (SITTICAM). De acordo com a Lei Federal 11.494/2007 e Resolução do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) os recursos dos precatórios do FUNDEF podem ser utilizados somente em educação, sob pena de caracterização de desvio de finalidade. O presidente do SISEMC, Juscelino Santos, agradeceu a presença dos trabalhadores em educação. “Com relação aos precatórios do FUNDEF, trata-se de uma questão coletiva na qual o sindicato está iniciando os debates em prol dos profissionais do magistério, que são uma das categorias que representamos”. Segundo Joel Câmara, consultor Jurídico da Executiva Estadual da APLB/Sindicato, “o FUNDEB é o instrumento contábil que assegura o repasse de verbas da educação da União para os municípios. O FUNDEB nasceu para a valorização dos profissionais de educação, pois garante que 60 % dos seus recursos sejam para o pagamento de profissionais que exercem funções relacionadas ao magistério”. Ele argumentou que “os profissionais do magistério (que trabalharam entre 1997 até 2006) têm direito a 60 % das verbas dos precatórios. No caso de Candeias, será importante que o sindicato envolva nesta discussão a Prefeitura, através da Procuradoria Geral do Município. O importante é realizar procedimentos na tentativa de garantir a destinação destas verbas para os profissionais do magistério”. Ele explicou que caso não ocorra um consenso com a Prefeitura será necessário acionar a Justiça. Foi deliberado que após ocorrer uma definição da estratégia de ação entre a diretoria do sindicato e a Assessoria Jurídica ocorrerá uma assembleia geral para referendar a linha de atuação.

Comentários