29 de abril de 2017, 09:15

EXCLUSIVAMoema e Robinson são os maiores derrotados no PED do PT na Bahia

Foto: Montagem/Política Livre

A prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, e o deputado federal Robinson Almeida aparecem como os dois principais derrotados no PED que definirá no próximo dia 7 de maio o comando do PT na Bahia. Os dois jogaram abertamente contra a reeleição de Everaldo Anunciação, em alguns casos, segundo interlocutores do presidente do PT, de forma excessivamente raivosa.

Conhecido pela ambição política, Robinson planejara, desde o primeiro momento, assumir o comando do partido. Como as restrições ao seu nome no PT são grandes e ficaram incontornáveis durante o processo, teve que se contentar em apoiar a chapa liderada pelo deputado Waldenor Pereira, a Muda PT, contra a Construindo a Nova Bahia, encabeçada pelo atual presidente.

Já Moema Gramacho, apesar das conhecidas ligações com o governador Rui Costa (PT) e o ex-governador Jaques Wagner, que apoiaram a reeleição de Anunciação, resolveu abrir dissidência em relação a eles sob o argumento, segundo se comenta no partido, de que o grupo do presidente do PT estava mais próximo dos dois do que a tendência a que ela e os líderes petistas pertencem, a Reencantar.

A vitória de Anunciação foi assegurada depois que a direção nacional decidiu validar os 20 mil votos totalizados pela Secretaria de Organização Partidária (SORG) no PED em que foram eleitos os diretórios municipais e os delegados à convenção estadual que escolherão no próximo sábado a direção estadual petista e ele celebrou uma composição com o grupo do deputado federal Walmir Assunção.

Na contramão do caminho trilhado por Robinson e Moema, Assunção consolida-se como a segunda força mais importante do partido, devendo ocupar fatia importante do comando da legenda a partir da convenção de sábado. Em conversa ontem com o Política Livre, Anunciação disse que, apesar da maioria obtida, pode lançar um nome alternativo à presidência no evento.

A iniciativa dependerá de uma conversa que ele deve ter com o governador, o ex e com o secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes, mentor de sua candidatura e, individualmente, figura que sai mais fortalecida em todo o processo eleitoral interno do partido. Este Política Livre apurou, entretanto, que os três devem fazer um apelo para que ele permaneça no comando da agremiação.

Comentários