15 de março de 2015, 09:00

BRASILMarina critica gestão, mas se posiciona contra impeachment

Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

Ex-senadora Marina Silva, candidata derrotada na campanha presidencial de 2014

A ex-senadora Marina Silva, candidata derrotada na campanha presidencial de 2014, usou, neste sábado (14), o seu perfil em uma rede social para publicar artigo onde faz várias críticas à gestão da presidente Dilma Rousseff, mas se coloca contra o impeachment. Marina afirma que a “mudança na equipe econômica parece ser insuficiente para dar ao governo a credibilidade necessária à condução da economia”. A ex-senadora entende que o agravamento de todos os sintomas da crise já é visível, mas defende ao longo de um extenso artigo denominado “Silêncio se faz para ouvir” que o respeito à democracia ensina a se dar um prazo inicial a todo governo eleito para que se diga a que veio. “Sinto que isso vale também quando o escolhido – ou guiado pelas estrelas – recebe da sociedade a cômoda tarefa de suceder a si mesmo”, disse a ex-senadora em referência às manifestações contra a presidente Dilma Rousseff, que estão sendo programadas para este domingo. “Muita gente vai para as ruas protestar. Há uma campanha pedindo o impeachment da presidente que foi eleita há poucos meses. Compreendo a indignação e a revolta, mas não acredito que essa seja a solução. Talvez o resultado não seja o pretendido retorno à ordem, mas um aprofundamento do caos”, escreveu a ex-senadora mesmo reconhecendo que a “insatisfação da população vai da desesperança ao desespero. “A mudança na equipe econômica parece ser insuficiente para dar ao governo a credibilidade necessária à condução da economia. A imagem da situação social é a dos tanques na rua, na Favela da Maré. A enchente gigantesca no Norte e a seca rigorosa no Sudeste denunciam a irresponsabilidade com a agenda ambiental e a falta de planejamento na produção de energia e no saneamento”, afirmou Marina. De acordo com ela, a corrupção revela-se generalizada como um câncer que se espalhou por todos os órgãos. “Quantos minutos na televisão serão necessários para fazer as pessoas voltarem a acreditar no mundo cor-de-rosa que os ‘pessimistas’ queriam destruir?”, questionou, fazendo referência ao discurso de campanha da presidente Dilma negando que promoveria arrocho na economia e perda de conquistas trabalhistas.

Francisco Carlos de Assis, Agência Estado

Comentários