14 de março de 2015, 07:30

BAHIACom fusão entre DEM e PTB, governistas sinalizam ida para oposição

Foto: Divulgação

Ao menos seis governistas, incluindo deputados estaduais e federais, já sinalizaram o interesse de trocar a base

Com o acordo de fusão entre DEM e PTB praticamente fechado, parlamentares e políticos de partidos aliados ao PT na Bahia iniciaram negociações para ingressar na legenda que juntará democratas e petebistas. Ao menos seis governistas, incluindo deputados estaduais e federais, já sinalizaram o interesse de trocar a base petista pela oposição. Esperam apenas as duas siglas oficializarem o casamento, processo que avançou bastante nos últimos dias, a reboque do movimento de debandada detectado no arco de sustentação do Planalto, no Congresso. “Em conversas com colegas da Câmara e do Senado, é nítida a sensação de que o governo da presidente Dilma Rousseff está se desmontando de maneira irreversível. Caso esse cenário se mantenha, é bem provável de que o PT acabe isolado ou apoiado por dois ou três partidos acessórios”, avalia um parlamentar baiano que integra a bancada governista em Brasília. Pelas contas dos cardeais do DEM, a fusão com os petebistas, costurada pelo comando nacional dos partidos, depende só de ajustes pontuais em dois estados. Na Bahia, o acordo já foi selado, mesmo com a grita do presidente estadual do PTB, Jonival Lucas, que defende a aliança com o PT. No entanto, uma das cláusulas negociadas condiciona a união à ruptura com o governo Dilma Rousseff, onde a sigla detém o Ministério do Desenvolvimento, chefiado pelo pernambucano Armando Monteiro (PTB).

Jairo Costa Júnior, Coluna Satélite / Correio*

Comentários