25 de março de 2008, 18:25

Wagner leva militância ao delírio, ao defender “colocar para fora quem não entende democracia como tolerância de idéias”

O governador Jaques Wagner (PT) dirigiu algumas duras cobranças ao PT durante o discurso de cerca de 30 minutos que fez hoje ao encerrar a solenidade de posse dos novos presidentes do partido, no Fiesta Convention Center.

Disse que a legenda está atrasada no plano da definição das candidaturas à sucessão municipal e que precisa, primeiro, trabalhar na construção das hegemonias internas para, então, construir as externas.

Também afirmou que o PT precisa voltar às raízes, substituindo o “debate de estrutura”, em sua opinião, sepultado com sua eleição ao governo, pelo “debate de idéias”. Mas houve um momento em que o governador fez o auditório vir abaixo.

Foi quando revelou a condição que acha fundamental para que o PT lidere a coligação que o levou a ganhar o governo do Estado:

“Se este partido quer continuar liderando esta coligação, nós temos que definitivamente colocar para fora daqui aqueles que não entendem que a democracia se faz com a tolerância de idéias e intolerância com métodos que não se coadunam com a militância do partido”.

Neste momento, o governador foi interrompido pela mais calorosa sessão de aplausos de todo o evento, que deram lugar, em seguida, aos gritos de ordem: “Partido, partido, partido dos Trabalhadores, partido, partido, partido dos Trabalhadores”.

Comentários