28 de março de 2008, 18:01

Governo pede à Justiça que greve de policiais seja decretada ilegal

A Procuradoria Geral do Estado está formalizando uma ação à Justiça pedindo que a greve dos policiais civis seja decretada ilegal sob o argumento de que não foram cumpridas exigências legais de aviso formal ao governo com antecedência de 72 horas nem foi apresentado o plano com detalhamento sobre o funcionamento dos serviços essenciais no período da paralisação.

Em nota pública emitida há pouco, assinada pelos secretários Manoel Vitório (Administração) e César Nunes (Segurança Pública), o Governo classifica ainda a greve em um serviço essencial como a segurança pública como “inoportuna e injustificável, no momento em que todas as categorias do funcionalismo conquistam avanços através da negociação”.

Lembrando que o reajuste acumulado desde o ano passado é de 20,12% para agentes, escrivães e peritos técnicos – em 2007, variou entre 11% e 17% e agora é de 4,46% para escrivães e agentes, chegando a 5,4% com a incorporação de uma gratificação -, o Governo observa que os números provam que está em prática uma política permanente de valorização dos servidores.

Comentários